segunda-feira, 26 de março de 2007

Acordação

Noites de des-sono
que repasso.
Que vêm e vão e
nem notadas são.
De uma treva escura tão

surge

uma aurora de azul-branco
que janelas fechadas
não me deixam ver.

Acorda, boneco de trapo, e
vai trabalhar!